Conheça as principais diferenças entre um vinho leve e um encorpado

Conheça as principais diferenças entre um vinho leve e um encorpado

Você também ama cozinhar e acompanhar os seus pratos com um bom vinho? A harmonização entre a comida e a bebida garante o equilíbrio da refeição e, para acertar nessa escolha, é preciso entender as características das bebidas. Por exemplo, você sabe as diferenças entre um vinho leve e encorpado?

Provavelmente, você já deve ter ouvido falar sobre o corpo do vinho, não é mesmo? Então, saiba que esse é um aspecto relacionado à sensação que a bebida causa na boca, ou seja, diz respeito à densidade, peso, sabor, teor alcoólico, taninos, açúcares etc.

Gostaria de saber mais sobre o assunto? Acompanhe a leitura deste artigo e entenda como identificar um vinho leve e encorpado e ainda conheça dicas sobre a harmonização.

O vinho leve 

O vinho leve é fácil de beber e, por isso, consegue agradar a diversos paladares diferentes, principalmente os que ainda são iniciantes na degustação de vinhos. Trata-se de uma bebida delicada, com estrutura e de ótima qualidade.

A sua produção leva uvas com menos corpo, baixo índice alcoólico, mais acidez e poucos taninos. Além disso, a coloração é delicada e o aroma é uma característica bastante acentuada, sendo comum a presença de notas de frutas vermelhas. É, de fato, uma opção muito agradável e é difícil não desejar uma segunda taça.

Quais os principais tipos de uva?

A escolha da uva tem um peso importantíssimo na produção dos vinhos. Afinal, as suas características naturais, como a espessura das cascas, taninos, acidez e nível de açúcar, são os fatores que vão determinar o tipo de vinho. Algumas das uvas comuns na produção de vinhos leves são:

  • Pinot Noir;
  • Bornada;
  • Gamay;
  • Grenache;
  • Pinotage;
  • Cinsault.

Quais os vinhos leves mais famosos? 

Além de saber mais sobre as diferenças entre o vinho leve e o encorpado, que tal conhecer os vinhos mais famosos de cada tipo? Confira abaixo duas opções fantásticas de vinhos leves.

Pinot Noir da Borgonha

A uva Pinot Noir é uma das mais tradicionais da França e as consideradas mais elegantes da cepa são as produzidas na Borgonha. Trata-se de uma uva de casca fina e de sabor delicado, podendo ter aromas de amora, cereja, framboesa, especiarias e flores. 

O vinho proveniente dessa uva é sutil e aromático, com textura bastante suave. Além disso, é uma bebida cuja maturidade é atingida por volta dos 8 a 10 anos, ou seja, não são muito longevos.

Beaujolais

Proveniente da uva Gamay, variedade nativa da Bourgogne, os vinhos tintos de Beaujolais são recomendados para serem consumidos jovens e consistem em opções leves, aromáticas, refrescantes e de caráter frutado. Não deixe de experimentar a leveza dessa deliciosa opção de vinho.

Como harmonizar?

Agora que você sabe quais são as principais características de um vinho leve, chegou a hora de entender como fazer a harmonização de forma adequada.

Para começo de conversa, é preciso saber que esses vinhos são ideais para combinar com diversos tipos de pratos, uma vez que sua leveza tende a valorizar os sabores da comida. Sendo assim, uma das possibilidades de combinação agradável é com a carne branca, como peixes grelhados, atum ou salmão selado, sushi e um bom vinho tinto com taninos macios e certa acidez. Experimente um Beaujolais Nouveau ou Pinot Noir.

Atente ainda para os molhos do prato. Quanto mais simples e menos untuosos, melhor será a harmonização com vinhos leves. Esse detalhe fará toda a diferença na hora de equilibrar uma massa, por exemplo.

O vinho encorpado

As diferenças entre o vinho leve e encorpado são fáceis de serem detectadas, já que as bebidas com mais corpo são nitidamente mais densas. Para compreender melhor essa questão da densidade, imagine o leite desnatado e o integral. São sensações de peso na boca diferentes, certo? O mesmo ocorre com os vinhos.

Esse tipo de vinho é potente, tem maior concentração de compostos, os sabores são mais aveludados e duram mais tempo na boca. Além da densidade, há outras características marcantes nos vinhos encorpados. Eles costumam ter um alto teor alcoólico, presença acentuada dos taninos e coloração forte devida às cascas mais grossas das uvas.

Também é preciso ressaltar que o corpo do vinho também diz respeito a outros fatores, como as técnicas usadas na sua produção. Por exemplo, bebidas que passam pela maturação em barris de carvalho costumam ser mais complexas e estruturadas.

Quais os principais tipos de uva?

As uvas usadas na produção de vinhos encorpados costumam ser cultivadas em regiões mais quentes, têm cor escura, aromas de frutas negras e contam com cascas mais grossas. São boas opções para vinhos encorpados:

  • Cabernet Sauvignon;
  • Malbec;
  • Merlot; 
  • Shiraz;
  • Tannat;
  • Tempranillo.

Quais os vinhos encorpados mais famosos?

E quanto aos vinhos mais encorpados? Quais as opções mais reconhecidas? Confira, a seguir, duas indicações excepcionais!

Bordeaux

Um dos vinhos mais famosos da França, o Bordeaux tradicional é produzido a partir das uvas Cabernet Sauvignon e Merlot e é uma bebida bastante especial. Trata-se de opções complexas, elegantes e encorpadas.

Brunello di Montalcino

Grande destaque entre os vinhos da Itália, o Brunello di Montalcino é produzido com uvas Sangiovese, de casca mais grossa, boa presença de taninos e bastante cor. É um vinho bem-encorpado, alcoólico na medida certa, com aromas de baunilha, frutas secas e, além disso, pode ser guardado por até 30 anos.

Como harmonizar?

Outra diferença marcante entre vinho leve e encorpado diz respeito à harmonização, afinal, as opções com mais corpo exigem um pouco mais de cuidado na hora de harmonizar, pois são bebidas bem mais intensas e complexas.

Sendo assim, é preciso ter em mente que os altos índices de taninos e de álcool precisam ser equilibrados com pratos de sabores intensos para que a bebida não se sobressaia tanto. Nesse sentido, as carnes vermelhas são ideais para uma combinação equilibrada. Assim, se a ideia é apreciar um bom vinho encorpado, opte por cortes mais gordurosos, como a picanha ou costela. Um bom Carbenet Sauvignon ou Malbec são escolhas certeiras para esse tipo de prato. 

Gosta de apreciar queijos? Então saiba que os mais duros, como o Provolone e o Gruyère, harmonizam perfeitamente com vinhos mais intensos. Agora, se o dia pede pizza, a de Calabresa e Pepperoni são as que mais caem bem com bebidas estruturadas.

Essas foram algumas das diferenças entre o vinho leve e encorpado. Todos os pontos abordados neste artigo são essenciais para quem deseja conhecer mais sobre vinho e, principalmente, quem quer fazer harmonizações perfeitas. 

Portanto, na hora de escolher um bom vinho, lembre-se de que muitos fatores são importantes para acertar. Por exemplo, não necessariamente vinhos guardados há muito tempo são mais saborosos do que as opções mais jovens. Na verdade, depende muito das características dos rótulos.

Gostaria de entender melhor sobre a importância da idade do vinho? Então, acesse nosso post completo sobre o assunto!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X