Como comprar vinho? 7 segredos para não errar na escolha

Como comprar vinho? 7 segredos para não errar na escolha

Como comprar vinho? Você fica paralisado diante de tantas garrafas de vinho, sem saber o que fazer? Anda para o lado, volta, pega uma garrafa, olha, só falta virar a garrafa pelo avesso! Faz cara e postura de inteligente, balança a garrafa, mas, como escolher?

“Como não sei nada de vinhos, vou pegar aquele de rótulo bonito e com preço mais acessível, afinal de contas, é só para beber um pouco e relaxar após um dia de trabalho”.

É assim que você escolhe seus vinhos? Comprar um bom vinho não é complicado e não é preciso ser um especialista. Duvida? Preparamos este artigo especialmente para você e para que sua próxima compra se torne um momento especial.

Continue a leitura e confira 7 segredos para saber identificar o melhor vinho!

1. Respeite seu gosto pessoal

Os sentidos motivam nossas escolhas pessoais. Cada um de nós identifica um sabor, um cheiro ou uma textura de diferentes modos e intensidades. De fato, algumas pessoas percebem melhor a acidez e os taninos, outras, a doçura ou o teor de álcool. Tendo em vistas essas sensações, há quem prefira os brancos aos tintos, ou os leves aos encorpados. Também há quem escolha seu vinho pelo país de origem.

Independentemente da sua forma de comprar vinhos, não deixe passar oportunidades e novas experiências. Permita experimentar sempre, descobrir novos sabores e aromas, e não se deixe levar apenas pelo preço e pela beleza da garrafa. Certamente, você terá surpresas excepcionais!   

2. Fique de olho na organização das prateleiras 

Nos supermercados, conforme o preço, os vinhos são organizados de baixo para cima. Prefira as garrafas que estão no fundo das prateleiras, pois elas estão protegidas da exposição à luz. Além disso, para o vinho branco e rosé, escolha o de safra mais recente.  

Geralmente, as garrafas estão na posição vertical e em locais não climatizados. As melhores opções são aqueles vinhos que têm maior saída, assim, as garrafas não ficam por muito tempo nas prateleiras e não perdem suas características.

Agora, se está procurando um vinho para uma ocasião especial, compre em lojas especializadas. As garrafas são armazenadas da maneira correta e, em geral, o cuidado é maior — além de você poder contar com o auxílio de um vendedor que entende do assunto e pode lhe ajudar na escolha.

Os clubes oferecem produtos exclusivos e consultoria de sommeliers. Por isso, as compras no e-commerce têm vantagens como preços menores que os oferecidos nas lojas físicas e a facilidade de contar com catálogos de diversas importadoras e vinícolas nacionais.

3. Confira a classificação dos vinhos

Escolhendo pela classificação dos vinhos, você é capaz de reconhecer e certificar o grau de qualidade da bebida. Algumas opções existentes no mercado são:

  • vinho de mesa: acompanha as refeições, tem maior produção e consumo;

  • vinho leve: apresenta teor de álcool reduzido e fermentação com os açúcares da própria uva;

  • vinho espumante: passa por duas fermentações naturais e produz borbulhas;

  • vinho composto: são adicionadas plantas maceradas ou em forma de extratos;

  • vinho licoroso: de elevada força alcoólica, oriunda de mostos.

4. Fique atento ao teor de açúcar e graduação alcoólica

A graduação alcoólica é outra propriedade que diz muito sobre o vinho. O teor é informado no rótulo das bebidas e, nos vinhos, ele varia de 8 a 14 g/l. Esse número indica a quantidade de álcool em 100 litros de vinho e é acompanhado da porcentagem alcoólica.

Contudo, é básico saber que quanto maior o teor alcoólico, mais encorpado será o vinho. Quanto ao teor de açúcar, as bebidas são classificadas como:

Leve e frisante

  • seco (4,0 gramas de açúcar por litro);
  • meio-seco ou demi-sec (mín=4,1 e máx=25,0 gramas de açúcar por litro);
  • doce ou suave (mín=25,1 e máx=80,0 gramas de açúcar por litro).

Espumante ou gaseificado

  • sec ou seco (mín=15,1 e máx=20 gramas de açúcar por litro);
  • demi-sec; meio-doce ou meio-seco (mín=20,1 e máx=60 gramas de açúcar por litro);
  • doce (mín=60,1 e máx=80 gramas de açúcar por litro).

Licorosos

  • seco ou dry (máx=20  gramas de açúcar por litro);
  • doce (mín=20,1 e máx=80 gramas de açúcar por litro).

Compostos:

  • seco (máx=40 gramas de açúcar por litro);
  • meio-seco ou meio-doce (mín=40,1 e máx=80 gramas de açúcar por litro);
  • doce (mín=80,1 e máx=100 gramas de açúcar por litro);
  • extrassecos (entre 12 e 20 gramas de açúcar por litro);
  • meio doces, meio secos ou demi sec (entre 33 e 55 gramas de açúcar por litro);
  • doces (mais de 50 gramas de açúcar por litro).

5. Escolha pelo tipo de uva

Vamos ao elemento indispensável no momento da escolha: as uvas! Uma boa estratégia é separar por cor.

Uvas roxas

A casca das uvas roxas é o que dá a coloração ao vinho tinto, e as principais uvas na produção dos vinhos tintos são:

  • Cabernet Sauvignon;
  • Pinot Noir;
  • Merlot;
  • Tannat.

Uvas brancas

Apesar de as uvas brancas serem as mais empregadas na fabricação dos vinhos brancos, também pode ser utilizada a polpa da uva-tinta, sem beneficiar a casca. As principais uvas manipuladas na fabricação de vinhos brancos são:

  • Sauvignon Blanc;
  • Chardonnay;
  • Gewurztraminer;
  • Moscato Giallo;
  • Prosecco;
  • Riesling Itálico.

Uvas rosé

O vinho rosé é produzido a partir da uva-tinta. Depois de algum tempo, durante o processo de fermentação, as suas cascas são separadas. A bebida pode, ainda, ser uma mistura de uva branca e tinta.

6. Foque na harmonização

Conhecer algumas regras básicas pode ajudar na hora de harmonizar o seu vinho com o prato. Os alimentos leves, por exemplo, combinam com bebidas suaves. Já os pratos gordurosos vão muito bem com vinho de sabor forte e ácido.

Logo, harmonização é a procura do equilíbrio entre os sabores do prato com a bebida. Isso torna a refeição mais especial.

Confira a seguir algumas combinações que sempre dão certo.

  • frutos-do-mar com vinho branco, tipo Chardonnay;
  • queijos gorgonzola e roquefort com vinho branco, como o Sauvignon;
  • embutidos com vinho tinto, como Cabernet e Merlot;
  • carne vermelha e gordurosa com tinto suave;
  • carne vermelha com molho apimentado com vinho branco, tipo Chardonnay;
  • carne de porco com bordô suave;
  • aves com vinhos tipo Chardonnay ou Sauvignon;
  • pães e torradas com vinho tinto, como Cabernet;
  • petiscos  com vinho espumante.

7. Atente ao país produtor

Há uma variedade de bebidas procedentes de diferentes partes do mundo: países com padrões seculares na cultura e na fabricação de vinhos. Os maiores países produtores são: África do Sul, Argentina, Alemanha, Austrália, Brasil, Chile, Espanha, Estados Unidos, França, Itália e Portugal.

Um bom vinho, antes de tudo, deve ser agradável ao paladar. Não adianta gastar um dinheirão em um vinho classificado como supremo se você não gostar. Estude sobre o assunto, vá conhecendo os sabores e aromas que mais lhe agrada. Dessa forma, você vai descobrindo, aos poucos, como comprar vinho e transformando esse momento em um grande prazer!

Por fim, Lembre-se que as marcas brasileiras estão se destacando no mercado mundial. Os vinhos elaborados na Serra Gaúcha, por exemplo, possuem uma qualidade notável — e certamente pela ausência das taxas de importação, o preço é bem acessível. Procure se informar sobre as melhores opções de vinhos nacionais e invista neles.

Agora que você já consegue escolher um bom vinho, acesse o site da Vinícola Campestre e conheça nosso catálogo de vinhos!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X