fbpx
Afinal, pode tomar vinho com antibiótico?

Afinal, pode tomar vinho com antibiótico?

Compartilhe

Existem muitos mitos e dúvidas quando se trata da interação de medicamentos e bebidas alcoólicas. Se você está doente, é um dos apreciadores de vinho e não quer deixar de lado o hábito de degustá-lo, logo se pergunta se pode tomar vinho com antibiótico. Essa resposta não é tão simples quanto parece.

Para respondê-la, precisamos ficar atentos a algumas questões importantes, avaliar os riscos e optar sempre pela moderação. Quando estamos doentes, nosso organismo fica fragilizado e não pode ser agredido para se recuperar melhor. Então veja como evitar prejuízos à sua saúde sem deixar de aproveitar um bom vinho e as melhores companhias.

Álcool não corta o efeito dos antibióticos

Uma crença do senso comum que escutamos com muita frequência quando conversamos sobre ingerir álcool, enquanto estamos fazendo uso de algum medicamento, é que a mistura dos dois anula os efeitos do remédio. Bem, essa afirmação não tem fundamentação científica.

É verdade que cada medicamento possui uma interação com o álcool e que existem restrições a ser observadas com bastante cuidado. Mas, quando ingerido em pequenas quantidades, é muito improvável que o vinho, que tem um índice alcoólico relativamente baixo, crie riscos. Além disso, é certo que ele não cortará o efeito do antibiótico, podendo apenas diminuir a sua ação.

Riscos de exagerar

A parcimônia é sempre recomendável quando consumimos bebidas alcoólicas. É sabido que a ingestão exagerada delas pode causar prejuízos graves à saúde. Quando estamos doentes ou nos recuperando, isso fica ainda mais evidente. Por isso é recomendado que você tenha moderação nesses períodos.

Algumas consequências da ingestão de álcool se tornam mais graves e inconvenientes quando estamos fazendo uso de medicamentos. É importante considerá-las para não correr o risco de passar do limite e acabar piorando o estado da sua saúde, o que pode atrapalhar a sua recuperação, aumentando o tempo em que você ficará em tratamento.

Sobrecarga do fígado

O fígado é o órgão responsável por metabolizar o álcool, assim como os componentes químicos dos remédios. Todo o sangue do nosso corpo passa por ele, que funciona não apenas como um filtro, mas também possibilita que as substâncias sejam absorvidas pelo organismo sem prejuízos aos outros órgãos.

Ingerir bebida alcoólica em excesso, enquanto estamos consumindo um ou vários medicamentos, pode levar à sobrecarga do fígado, que não consegue processar a tempo todos esses elementos estranhos no corpo. Isso pode causar danos a ele e a outros órgãos do nosso organismo.

Ação diurética

O álcool tem a propriedade de inibir a produção do hormônio antidiurético em nosso corpo. Isso significa que quando o consumimos, eliminamos muito rapidamente os líquidos por meio da urina. É sabido que quanto maior a quantidade de bebida ingerida, menos tempo aguentamos esperar até a próxima ida ao banheiro.

Essa eliminação rápida pode fazer com que o remédio seja eliminado do corpo em uma velocidade muito maior do que aquela planejada, já que o corpo está funcionando fora do padrão. Assim, ele acaba sendo expelido antes de ter sido completamente absorvido, diminuindo a sua ação no corpo.

Irritação do estômago e intestino

Todas as bebidas alcoólicas são, naturalmente, irritantes ao sistema gastrointestinal. Em situações normais isso não é um grande problema, já que o corpo consegue controlar facilmente a inflamação, desde que tenha o tempo necessário e que a quantidade bebida não seja muito elevada.

Os componentes químicos de muitos remédios, inclusive antibióticos, também podem causar inflamações nesses órgãos. No caso, as capacidades de lidar com a inflamação e de regeneração deles podem ser comprometidas e os danos podem ser maiores do que o normal, causando problemas.

Efeitos adversos

Além das questões inerentes a todos os medicamentos e bebidas alcoólicas, é preciso ficar atento às características específicas de cada remédio. Os componentes químicos que são misturados para a criação deles possuem as suas próprias particularidades e reações quando misturados ao álcool.

No caso dos antibióticos, dependendo de qual tipo estamos ingerindo, os efeitos podem incluir dores de cabeça, palpitações, enjoos, queda de pressão arterial e até mesmo os desmaios. É preciso se informar sobre que efeitos o remédio que você está tomando pode ter, para não ser surpreendido.

Verifique a indicação da bula

Para poder se proteger e identificar imediatamente o aparecimento de alguma dessas complicações adversas, é muito importante que você leia atentamente a bula. Sabendo quais são os riscos e o que pode acontecer, assim, você fica mais apto para reagir ao primeiro sinal de incômodo, suspendendo o consumo da bebida.

Se for preciso, busque auxilio imediatamente e leve consigo, sempre que possível, a caixa do remédio com a bula. Os efeitos colaterais são raros e o grau deles depende do organismo de cada pessoa. Em alguns casos, eles podem ser graves, por isso não se arrisque e beba bem pouco.

Converse com o seu médico

É muito importante que não descuidemos da saúde, afinal a doença passará e logo você poderá se divertir com o melhor que os vinhos podem oferecer. Embora seja muito pouco provável que uma única taça cause qualquer complicação, você não deve deixar de consultar o seu médico, em caso de dúvida, se pode tomar vinho com antibiótico.

Cada condição precisa ser avaliada individualmente, pois a interação de medicamentos e remédios tem a ver com o histórico de saúde do paciente, como a diabetes, e principalmente com as quantidades envolvidas de ambos. Por tudo isso, não deixe de buscar auxílio médico se tiver qualquer efeito adverso, ainda que muito brando.

Lembre-se de que você pode escolher diminuir um pouco a quantidade de vinho que vai consumir enquanto estiver doente, mas não pode fazer o mesmo com os remédios. Eles devem ser tomados na dosagem e na forma que o médico determinar. Por isso, beba pouco e não se descuide.

Compartilhe este texto que explica se pode tomar vinho com antibiótico com seus amigos e familiares nas redes sociais e deixe eles saberem que você não precisa ficar de fora dos encontros apenas por estar doente. Com moderação e consciência, pode desfrutar de um bom vinho e logo estará totalmente recuperado e disposto para comemorar.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X